As Naninhas são aconchegantes e fofinhas, e funcionam como um objeto de transição.

Um lindo paninho de boca personalizado com o nome do seu bebê. 

Possui prendedor com velcro.

Medidas: 30x30cm

Material: cetim e tecido 100% algodão

Instruções de Lavagem: 
- Lavagem à mão
- Não alvejar
- Não secar em tambor 
- Passar ferro até 110º
- Não limpar a seco

Prazo de produção: 2 dias úteis. Acrescentar esse prazo ao prazo informado no cálculo do frete.

>>> Você sabia?  O termo objeto de transição foi usado pela primeira vez em 1953, pelo pediatra e psicanalista inglês Donald Winnicott. Segundo ele, nos primeiros meses de vida, graças à atenção e aos cuidados maternos que recebe, o bebê imagina que ele e sua mãe são um ser único, a mesma pessoa. Mas, com a passagem dos meses, ele vai se dando conta de sua individualidade e percebe essa divisão. Mais que isso: descobre que a mãe nem sempre está presente para saciar suas necessidades e, por isso, acaba buscando em um objeto para essa fase de transição o apoio de que precisa, especialmente na hora de dormir. Ele diminui a ansiedade do bebê nos momentos de separação da mãe, além de marcar uma fase importante do desenvolvimento psíquico. Através da interação com o meio e com o objeto de transição, o bebê passa a desenvolver criatividade, imaginação, cognição e afetividade. (Fonte: Revista Crescer)

Naninha em Cetim com Nome - Nuvem
R$35,90
Quantidade
Naninha em Cetim com Nome - Nuvem R$35,90
Entregas para o CEP: Alterar CEP

Conheça nossas opções de frete

As Naninhas são aconchegantes e fofinhas, e funcionam como um objeto de transição.

Um lindo paninho de boca personalizado com o nome do seu bebê. 

Possui prendedor com velcro.

Medidas: 30x30cm

Material: cetim e tecido 100% algodão

Instruções de Lavagem: 
- Lavagem à mão
- Não alvejar
- Não secar em tambor 
- Passar ferro até 110º
- Não limpar a seco

Prazo de produção: 2 dias úteis. Acrescentar esse prazo ao prazo informado no cálculo do frete.

>>> Você sabia?  O termo objeto de transição foi usado pela primeira vez em 1953, pelo pediatra e psicanalista inglês Donald Winnicott. Segundo ele, nos primeiros meses de vida, graças à atenção e aos cuidados maternos que recebe, o bebê imagina que ele e sua mãe são um ser único, a mesma pessoa. Mas, com a passagem dos meses, ele vai se dando conta de sua individualidade e percebe essa divisão. Mais que isso: descobre que a mãe nem sempre está presente para saciar suas necessidades e, por isso, acaba buscando em um objeto para essa fase de transição o apoio de que precisa, especialmente na hora de dormir. Ele diminui a ansiedade do bebê nos momentos de separação da mãe, além de marcar uma fase importante do desenvolvimento psíquico. Através da interação com o meio e com o objeto de transição, o bebê passa a desenvolver criatividade, imaginação, cognição e afetividade. (Fonte: Revista Crescer)